Bobice Diária: Agosto 2010

sábado, 28 de agosto de 2010

Soquem a abertura da Copa lá, Andres Sanchez e Ricardo Teixeira

Por estas e outras é que tenho me desinteressado um pouco de futebol, está perdendo completamente seu viés esportivo e se tornando mera ferramenta política e comercial.

Post completamente copiado do site http://www.sempretricolor.com.br

Andrés Sanchez gosta de ser autêntico e polêmico em suas declarações.

Nesta sexta-feira deu mais um exemplo disso. Durante palestra em uma feira para estudantes em São Paulo, não perdeu a chance de cutucar o rival São Paulo e disse que sua primeira responsabilidade como presidente do Corinthians é não deixar que haja jogos da Copa do Mundo no Morumbi.

Andrés discursou para cerca de 300 jovens que vão ingressar nas faculdades e em seguida respondeu a diversas perguntas. Quando questionado por uma estudante quais eram suas responsabilidades como presidente do Corinthians, não titubeou.

“A primeira é não deixar ter jogo da Copa do Mundo no Morumbi. A segunda é não deixar que a cidade de São Paulo fique de fora da Copa”, disse, antes de completar.

“Corinthians e Flamengo são os clubes mais representativos do país. O presidente se torna referência por muitas coisas. O que falo muito e brigo é pela alternância de poder. Por mais que a situação financeira seja boa, não se pode ficar mais que três ou quatro anos à frente de um clube”, disse.

Logo após essas declarações de Andrés, o vice-presidente de futebol do São Paulo conversou com o UOL Esporte e respondeu às provocações: "Ele tem essa obsessão. Ele não passa um dia sem falar coisa do São Paulo”, disse Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco.

“É esquisitíssimo ele dizer que a primeira função dele é não deixar a Copa acontecer no Morumbi. As coisas negativas que essa pessoa faz são por si só são de se desconsiderar. Isso não nos atinge. Temos outros problemas para resolver”, completou Leco.

Apesar da provocação ao rival, Andrés negou que tenha intenção de que o estádio do Corinthians, ainda a ser construído, sedie a abertura ou mesmo jogos da Copa do Mundo de 2014. Ele garantiu que a capacidade será de 48 mil torcedores, inferior ao número de 60 mil estabelecido pela Fifa para a abertura.

O mandatário alvinegro confirmou que um dos projetos foi apresentado pela empreiteira Odebrecht, mas negou que haja um apoio do presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ele reafirmou que ainda não há uma definição, que será anunciada pela diretoria nos próximos dias.

“Estamos conversando com a Odebrecht, mas também com a Banif e tantas outras. Tenho três projetos na minha mesa. Não gosto de falar muito de estádio porque fomos enganados, mas não tem nada disso de apoio do Lula. O Lula vai apoiar qualquer escolha porque é corintiano, presidente e quer o melhor para a cidade de São Paulo”, disse.

O Corinthians estuda três projetos de estádio em São Paulo. Dois deles são em Itaquera e um em Guarulhos.

Luiza Oliveira e Ranan Prates, Uol

Das coisas que não entendo - Pesquisas de intenção de voto



E eis que chegaram as eleições, e junto com elas, o período que as antecede, insuportável e repetitivo. Começa a campanha nas ruas, o horário eleitoral, o beija-abraça nos meninos com catarro saindo do nariz (LoL), as promessas fajutas e, claro, as pesquisas de intenção de voto divulgadas incessantemente na TV e em outros meios.

E neste ano fiquei a pensar várias vezes no tema, e me perguntava: "Pra que diabos esta porra?". Explico: qualquer pessoa com neurônios minimamente desenvolvidos sabe que aquelas pesquisas, quando divulgadas nos meios de comunicação, interferem no voto das pessoas, principalmente dos indecisos, e também sabe que muitas delas, senão todas, são manipuladas. Então por quê aqueles resultados ainda são divulgados?

A meu ver, aqueles números só deveriam ir para as sedes dos partidos políticos, para que estes pudessem se articular, mudar o marketing (eleição é só jogo de marketing) e tentar superar os adversários.

Fica aqui registrada a minha indignação quanto a isto, e se alguém fizer um projeto de lei de iniciativa popular, como o Ficha Limpa, pode ter certeza que eu assino e divulgo.

Crédito da imagem: http://cachacaaraci.wordpress.com/

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Futebol e Política

Esta, novamente, não é uma coisa boba.

Esta postagem é sobre um tema que já gerou pequenas discussões no twitter, falarei sobre futebol e política.

Pois bem, na época da Copa do Mundo, muitas pessoas do meu twitter ficavam escrevendo várias coisas afirmando que o fato de o ano de eleição para presidente ser no mesmo ano da Copa não é coincidência, é apenas para fazer "circo" com o eleitor e fazer com que este se esqueça da eleição.

Agora faço-lhes uma pergunta: Se neste ano não houvesse Carnaval e Copa do Mundo, o eleitor brasileiro votaria com mais consciência?

Óbvio que não. Mas entendo que tais eventos fazem com que os brasileiros fiquem completamente cegos para outros assuntos, mesmo que temporariamente, depois volta a cegueira quase completa. Um exemplo disto é que durante a Copa do Mundo os senadores votaram, se não me engano, uma proposta que elevava os salários deles. Sim, a sociedade em geral não viu, mas e se tivesse visto, impediria? Protestaria?

Aí você lê este texto e pensa: "ele só fala isto porque adora futebol". Sim, adoro futebol, e se duvidar gosto mais de futebol do que muitos dos que ficam cegos na época da Copa do Mundo, mas isto não me faz fechar os olhos para outros assuntos. O fato é que o brasileiro não se interessa por política, e quando fala de política, é apenas para dizer se vai votar na Dilma ou no Serra...

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Causos - Um grande causo, minha vida noturna

Em outra postagem eu já falei um pouco sobre como era minha nula vida noturna em Teresina até um tempo atrás, hoje vou complementar e explicar como cheguei a ser o que sou hoje, minha fama atualmente não é das melhores... rsrs

Pois bem, eu sou parnaibano, e morei lá até os meus 10 anos de idade, logicamente eu não tinha a tal "vida noturna", e pouco me interessava por música. De lá minha família teve que se mudar para Teresina, mas de começo não viemos morar na cidade verde. Moramos com minha tia na casa dela, que era grande e tal, só que ela morava, e ainda mora, em Timon...

Passei dois anos morando em Timon e estudando em Teresina, e fui começando a "dar meus pulos": beber em aniversários e em algumas festas para as quais eu e meus primos éramos levados. Vale lembrar que eu sempre fui e ainda sou o mais recatado dos meus primos, daí você imagina...

Em 2004, vim finalmente morar em Teresina, ao lado de outro primo meu, que já tinha sua fama de cachaceiro, mas mesmo assim, eu quase não saía de casa. É até estranho para os que me conhecem hoje saber que eu não fazia nada do que eles me contam em suas histórias dos tempos de colégio, quando bebiam na Praça Saraiva ou em outras praças de Teresina. Eu não saía de casa, fato este que até irritava meu primo e meu pai.

Então, o quê eu fazia? Jogava videogame. Juntava-me com alguns amigos do colégio e alugávamos um videogame pra passar as noites de sábado jogando na casa de alguém, e isto durou muito tempo, tanto que até hoje nós ainda tentamos organizar de novo, mas sempre há os furões...

Neste meio tempo conheci o U2, mais precisamente no show que eles fizeram em 2006 aqui no Brasil, antes disto eu ainda não me interessava muito por música, mas tinha um cd original dos Mamonas e gostava de Legião Urbana e algumas outras coisas, mas dava muito mais importância a outras coisas, como futebol.

Pois bem, depois disto, comecei a ter mais influências, e a conhecer mais bandas, ou seja, sou um noob, como dizem. Como minha memória é confusa e estranha, geralmente não lembro de datas, mas lembro que depois de 2007, comecei a sair mais, a beber mais, a conhecer novos lugares, como o próprio Boca da Noite, o Noé Mendes, mas nada exagerado, eu ainda jogava videogame...

Vale lembrar que nesta época eu escrevia poesias (ou projetos), e também me interessava muito por literatura. E também vale lembrar que o que me motivou a começar a escrever estes textos foi o projeto de uma banda que estava montando com alguns companheiros de colégio, que nunca saiu dos ensaios, aliás, pouquíssimos. Mas este projeto falido de banda acabou por deixar seu legado na minha vida: aprendi a tocar violão, e até hoje toco como amador para alguns amigos. Resumindo: o violão ganhou um espaço importante em minha vida.

Adiantando um pouco os anos, chegamos ao 3º ano do ensino médio, ano em que eu já estava, digamos, mais solto, ainda nada de exagerado, mas já saía pra beber com os caras do colégio em algumas festas por aí, até mesmo sem rumo no meio da cidade...

Passei no vestibular para jornalismo no fim daquele ano, e dali pra frente encararia 8 meses de férias, já que o curso só começaria em agosto. Quando recebi a notícia, estava em Buriti, no Maranhão, cidade onde sempre passo minhas férias, e fiquei lá por mais uns 2 meses junto com meus amigos de lá, alguns que também moram aqui, e com os quais eu também bebia (e bebo) pra caramba!

Quando voltei a Teresina, fui trabalhar na loja do meu pai, e foi nesta época, começo de 2009, que aprendi a dirigir, levando o carro da loja até minha casa, com meu pai me ensinando. O dinheiro que eu ganhava( pouco) trabalhando era quase todo dedicado à nobre arte de beber. Neste tempo, confesso, eu saía pra todo tipo de lugar, desde forrós ridículos até grandes festivais de rock, obviamente eu preferia o rock, mas como nem sempre tinha companhia e dinheiro, acompanhava meu pai e meus primos para os lugares aos quais eles iam. Fato este que até hoje causa irritação no meu pai, já que agora eu só saio pros lugares de que gosto e não saio mais com ele.

Pois bem, chegou o mês de agosto, começava o curso de comunicação social, e posso dizer que começava a perdição, afinal só na primeira semana de curso foram duas vinhadas para nos receber! Comecei a sair com meus companheiros de curso, os "indignos", e a presenciar as mais diversas indignidades que o ser humano pode praticar...

De lá pra cá, já se passou 1 ano, e lembrando que eu já sabia dirigir, você pode imaginar o quanto eu estava virando doido nesta cidade em todo este tempo... Vou encerrar o texto por aqui, se esqueci alguma coisa, depois coloco, já estou com preguiça de escrever mais...

domingo, 22 de agosto de 2010

Causos - Horários...

Porque eu sou uma pessoa que tem horário!

De uns tempos pra cá, eu estou acordando pontualmente ao meio-dia, confesso que não gosto muito disto, preferia acordar um pouco mais cedo, tipo umas 10. Além do mais, o fato de eu dormir até este horário não faz com que eu me sinta mais descansado, pelo contrário, parece que a cada dia eu acordo pior... Alguma mulher solidária pode me fazer uma massagem?

Mas não é sobre isto que eu queria falar, vim para falar de horários, horários de refeições. É o seguinte, vou escrever a conversa:

"Jônatas, tá bom de já vir almoçar"

"Mas eu ainda nem tomei café"

Obs: eu odeio almoçar sem tomar café antes, é um hábito, e fico meio mal quando não faço isto, mal fisicamente mesmo.

"Ainda nem tomou café??? Olha que um dia você vai ficar doente, onde já se viu tomar café à esta hora?? A pessoa tem que ter horário! Come todo dia fora de hora, daqui a pouco tá doente!"

"Mas eu tenho horários (paciência e sarcasmo nesta hora), sempre acordo ao meio-dia, sempre tomo café à esta hora e almoço depois"

"Mas não está certo, não tá vendo que este não é o horário!"

"E quem fez este horário?"

"Eu!"

"E o senhor fez pra humanidade inteira?"

Calam-se os dois, faço meu café, e saio tranquilamente.

sábado, 21 de agosto de 2010

Causos - A gatinha

Um belo dia cheguei em minha casa e vi um animal na sala. Eu gosto de animais, mas no caso do animal em questão, eu odeio: era uma gata.

Não era uma gata qualquer, era uma gata horrível, preta e mirradinha. Poxa, se é pra criar uma gata, que seja ao menos bonita!

Pois bem, outro dia estavam discutindo na sala pelo fato de a gata cagar nos cômodos da casa. Um dizia: "Amarra ela na caixa de areia pra ela se acostumar", outra dizia: "Deixa do lado de fora da casa", e eu disse, de dentro do banheiro: "Amarra ela na linha do trem!" Ninguém ouviu na hora, na hora...

Depois eu repeti esta história pro meu pai, e ele ficou resmungando: "Mas Jônatas, como é que você quer matar uma gata? Olha que dá até azar...". Mas é claro que eu havia falado aquilo brincando, jamais mataria a gata ou a jogaria no trilho do trem, a menos que deixassem... muahahahahaha

Pois é... e não é que a gata sumiu daqui de casa? Juro que não fui eu, mas meu pai agora fica falando que eu joguei mesmo a gata no trilho do trem kkkkkkkkkk

Só pra constar, o trilho do trem realmente passa bem perto da minha casa.

Atualização:

Dias depois a gata apareceu na casa de uma amiga minha que mora aqui perto. As características batiam, não sei se era realmente a que estava aqui, mas enfim... Só sei que não matei gata alguma rs

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Causos - Poesia e Teresina


Em comemoração ao aniversário de Teresina, postarei aqui uma história que me aconteceu

Era 16 de agosto de 2006, ou 2007, ou até 2008, sou péssimo com datas, só me lembro do dia porque ele não muda, era aniversário de Teresina...

Pois bem, nesta época eu não sabia de nada que acontecia na cidade, shows de rock, bares, nada! Era apenas um aluno do ensino médio que bebia às vezes na casa de amigos, em aniversários, mas nada de mais, saía muito pouco.

Na noite do dia 16 de agosto do ano desconhecido, saímos eu e mais dois amigos da minha casa até o centro de Teresina, aliás, eu moro no centro, saímos até o coração do centro, a praça Pedro II, local onde acontecem vários eventos ao longo do ano, fomos na esperança de encontrar alguma festa e ficar por lá.

Chegamos lá, e não havia nada, resolvemos andar mais pelo centro, e chegamos até o adro da igreja São Benedito, um dos meus amigos disse ter ouvido algo sobre uma apresentação de poesia e tal, e fomos ver, era na Praça da Liberdade.

Quando chegamos, ouvimos barulhos de tambor e de um violão, e sentamos nas cadeiras que estavam lá, havia pouquíssimas pessoas, e uns caras recitando poesias na frente. Depois de alguns minutos, percebi do que se tratava, era um sarau da Trimera Casa de Letras, grupo do qual EU FAZIA PARTE! Mas explico, eu não fazia parte diretamente, mas contribuía com alguns textos.

Nós estávamos assistindo, e resolvemos ir ao bar ao lado, tomamos algumas cervejas e voltamos pra lá, eles estavam entregando a revista do grupo aos que estavam na platéia. No meio da revista, lá estava uma poesia minha, pensei em ir na frente recitá-la, mas sou tímido, e meu amigo foi, o poema era este:

http://literesinapoetica.blogspot.com/2008/04/o-ritmo-das-horas.html

tic-tac
tic tac
tic, tac
tic; tac
tic. tac
tic,; tac
tic,;.! tac
Meu relógio não faz tic-tac
Mas as pancadas da lentidão das horas
Martelam minha alma da mesma forma.

Ele fez uma interpretação meio maluca, mas foi legal, depois ficamos lá ouvindo as outras poesias e as outras pessoas da platéia recitarem também.

Foi uma noite meio estranha, mas bem divertida, pena que o grupo Trimera parece agora estar disperso e envolvido em outras atividades, mas eles deram sua contribuição para a cultura em Teresina.

domingo, 15 de agosto de 2010

Causos - João Victor (aídentro!)

Esta é dos tempos (quem vê, jura que faz tempo) do colégio:

Havia um amigo meu, o João Victor, que vivia cantando, falando de política e apertando a mão dos outros (?), ele era baixinho e gordinho, quase uma caricatura, somando-se a isto o fato de ele ser do interior e ter o sotaque um pouco carregado.

Pois bem, numa destas cantorias dele, ele passava por Fagner, Zé Ramalho, e cantava algumas músicas de vaquejada, até que um dos nossos amigos se encheu e disse a ele: "João Victor, canta aí a música 'AÍ DENTRO!'"

Ele se virou, e começou: "Sei que AÍ DENTRO ainda mora um pedacinho de mim..."

haha

Das coisas insuportáveis...

Você conhece o "craque" Neto?

O ser humano da foto ao lado é um ex-jogador de futebol, e atualmente é comentarista esportivo da Rede Bandeirantes. Durante sua carreira, passou por grandes clubes como Guarani, Corinthians (?), Palmeiras (?), e até mesmo o São Paulo, tendo atuações discretas nestes dois últimos.

Mas neste post, que não é bobo, vou me referir apenas à atual profissão de José Ferreira Neto, mais conhecido apenas por Neto. Nas transmissões das quais participa, é visível a parcialidade dos comentários, fato este que irrita diversos torcedores de todo o país, inclusive este blogueiro que vos fala.

Porém, isto é óbvio, o que levaria alguém a escrever sobre isto, já que todo mundo percebe? O fato é que é algo que me irrita, e resolvi expor neste blog, e digo mais: imparcialidade no jornalismo é algo ilusório, mas deve ser buscada, ou então que se seja logo parcial escancaradamente, como os narradores das rádios que estão a serviço de sites dos times.

Ainda hoje lembro-me de um erro do comentarista, ao afirmar isto em um jogo: "o comentarista tem que ser parcial mesmo!". Logo depois se corrigiu e se desculpou pelo equívoco, eu nem interpretei como erro...

Causos - Piada besta do Jod



Piada besta que o @Jodilson contou em João Pessoa:

Qual a diferença entre o sexo, o sonho de valsa e o rebolation?

Sexo é bom, sonho de valsa é bombom, e o rebolation é bombombom

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Causos - Ônibus lotado

O Ryan, calouro nojento, ao ler esta postagem, disse que este ônibus contraria as leis da física, pois lá duas pessoas (ou mais) conseguem ocupar o mesmo lugar no espaço rsrs

Novamente na parada, novamente esperando o ônibus, o sol de Teresina dando aquela contribuição e tostando nossas cabeças. Vários estudantes estão, como eu, esperando o velho Rodoviária Circular, “azulão”, e agonizando.

Depois de um bom tempo esperando, eis que desponta o busão na curva, alguns que estavam sentados se levantam, os que estavam em pé se alvoroçam, vai começar uma das principais corridas por sobrevivênvia da nossa espécie: conseguir entrar no ônibus. Corro e consigo ser um dos primeiros a entrar, requer toda uma técnica e alguns estudos pouco elaborados de física.

Já dentro do ônibus, consigo por milagre achar uma cadeira ao lado de uma senhora, e me sento. O engraçado é que ainda estou longe de chegar em casa, e já estou pensando em como conseguirei sair do ônibus, que está cheio de pessoas em pé. E o coletivo, a grande lata, segue seu caminho, nós somos os enlatados.

No caminho, vou observando algumas coisas, algumas novas construções, algumas árvores cortadas, podadas. No ônibus, diferentemente de algumas pessoas, não puxo conversa com ninguém, só falo se alguém falar, e todos os teresinenses sabem como puxar uma conversa dentro do ônibus: “Ta calor, né?” Sempre faz muito calor em Teresina!

Após quase 40 minutos de divagações e pensamentos inúteis, vejo que o ônibus já está perto da minha casa, agora outros conhecimentos teóricos e práticos serão postos a prova: é hora de tentar sair do ônibus...

Levanto, e calculo o melhor percurso e o que acarreta menor esforço físico para ser seguido, e vou me espremendo entre as pessoas, empurrando (é necessário), quase que pulando dentro do ônibus, afinal o motorista quase sempre arranca com o ônibus sem que os passageiros consigam descer, é um inferno!

Consigo sair, e respirar, ainda tenho de andar alguns minutos até minha casa, mas a pior parte já passou, já saí da lata. E agora, mesmo estando novamente sob o sol de Teresina (tá calor, né?), já não me sinto espremido e enlatado, mas a rotina segue, e amanhã ele me espera (ou eu o espero?) para mais um dia.


Outro bêbado e uma risada escandalosa

Eu TINHA QUE POSTAR ISTO:

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Ressaquis Negadis

Imagine acordar ao meio-dia, com a cabeça pesada, o olhar meio turvo, as pernas fracas, e uma vontade imensa de não existir: esta é a ressaca.

Terror dos pinguços de primeiras viagens, e também dos experientes que vez por outra exageram na dose... Ops, pinguços não, boêmios, mais respeito com a classe!


Abaixo, texto transcrito do site www.salseiro.com.br

A ressaca é uma situação multicausal caracterizada por uma série de fenômenos de fundo neurológico, entre os quais se destacam a fotofobia (sensibilidade à luz), náusea e a cefaléia (dor de cabeça). Entendeu alguma coisa, pau d’água? Trocando em miúdos, ressaca geralmente vem acompanhada daquele pensamento clássico do dia seguinte: eu nunca mais vou beber como ontem.

Como todos estão cansados de saber, ela está intimamente associada ao consumo de álcool. Mas como isso ocorre? Como já escrevi acima, o consumo de álcool atinge o corpo de diferentes maneiras. Alguns dos principais efeitos são:

1- Inibição do ADH: O cérebro produz um hormônio que tem como principal atividade controlar a diurese. O goró inibe esse hormônio, o que faz irmos ao banheiro a toda hora. Como é raro a pessoa se preocupar em manter-se bem hidratada (principalmente se a água custar R$5 na balada), normalmente termina a noitada desidratada. O cérebro reconhece rapidamente essa situação e inibae a produção do ADH.

2- Inibição da gliconeogênese: esse é o nome da reação que transforma aminoácidos (pedaços de proteínas) em glicose (comida das células e principalmente das células do cérebro). O metabolismo do álcool produz uma substância chamada NADH, que inibe a gliconeogênese, levando à hipoglicemia (baixo açúcar no sangue), o que também leva a piora dos sintomas descritos.

3- Metabólitos da degradação do álcool: O etanol (álcool) é transformado em acetaldeído, que por sua vez é transformado em ácido acético (vinagre). O acetaldeído é levemente tóxico para o cérebro e também pode piorar os sintomas da ressaca.

Cura da ressaca: agora que já sabe como acontece a ressaca, você deve estar se perguntando por que eu ainda não comecei a falar da cura. Muito foi dito sobre esse assunto, mas o que é comprovado cientificamente é que o consumo de água e alimentos juntamente com o álcool melhora o desempenho do metabolismo e evita a desidratação, a hipoglicemia e dilui os agentes tóxicos do metabolismo do álcool.

E misturar bebidas, piora a ressaca? Cascata! Elas apenas fazem você tender a beber mais. Agora se o goró for falsificado ou de má qualidade, pode se preparar pra um dia seguinte daqueles. Essas bebidas costumam ter maior concentração de álcool do que as originais e causam mais ressaca.

Mas a principal forma de evitar a ressaca é pegar leve na canjibrina, só assim o organismo digere o álcool sem causar grandes distorções no metabolismo.

E para quem possa estar pensando: sim, eu estou escrevendo esta postagem de ressaca... :(

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Por que fazer jornalismo?

Tudo começou na época do vestibular, quando alguns meses antes de fazer a prova, tive que escolher a opção de curso. Tinha dúvidas entre Letras, Jornalismo, História e Direito, resolvi marcar Direito na Universidade Federal do Piauí (UFPI), e Jornalismo na Universidade Estadual do Piauí (UESPI), as provas foram relativamente fáceis.

O primeiro resultado a chegar foi o da UESPI: passei! Mesmo antes de saber deste resultado, eu já estava arrependido de ter marcado Direito na UFPI, vi que não era a minha área, e estava torcendo só pela UESPI. Acabou que ainda fiquei nos classificados de 2ª chamada da UFPI, e quase fui chamado, mas daí eu só tinha olhos para o jornalismo.

E por que marquei jornalismo? Bem, esta foi uma das perguntas que os veteranos do curso me fizeram na primeira semana de aulas, eu não sabia bem o que responder, disse que só sabia tocar violão e escrever. Na época, escrevia poesias e alguns textos críticos, e achei que o jornalismo seria uma boa opção para mim.

Diferentemente de mim, alguns diziam que queriam desde que eram crianças, vai ver achavam bonitos os apresentadores de telejornal... O fato é que alguns dos que estavam ao meu lado respondendo as perguntas dos veteranos pareciam perdidos, meio que haviam caído de paraquedas no curso, e continuariam apenas para “ver no que dá”.

Com o tempo, passei a ver todas as nuâncias da profissão, do curso, e passei a ver que tinha escolhido o curso certo, era aquilo que eu queria para mim! Alguns professores, mesmo que turrões, acabaram sendo os que mais me ajudaram, porque instigavam a mim e aos companheiros de turma a ir atrás das coisas, a pesquisar, nos forçavam a ser mais do que éramos, e foi uma ótima experiência, ainda que tensa...

E isto foi um pouco do que me motivou a continuar no curso, e a desejar seguir na profissão. Além, é claro, dos amigos que fiz, dos encontros estudantis, dos debates, idéias, diálogos etc. Enfim, o campo vasto e desafiador do jornalismo me conquistou, e acabou por dar um rumo na vida do jovem que só sabia escrever e tocar violão...

domingo, 8 de agosto de 2010

Homenagem a Rogério Ceni



O maior jogador em atividade do Brasil



Ano de merda

Estou agora mesmo ouvindo o jogo do São Paulo contra o Atlético Paranaense na rádio, mas não consigo esquecer daquela eliminação na Libertadores...

Estava eu no C.A. de Comunicação Social da UFPI, a calourada estava acontecendo lá fora, eu estava bebendo, e na hora do jogo, corri para a frente da TV que tem lá. Não lembro bem de todos os lances do jogo, mas lembro-me que gritei muito logo que saiu o primeiro gol, afinal, alguns que estavam lá estavam secando o tricolor...

Veio o gol do Inter, e eu só abaixei a cabeça, o que estava mais ou menos encaminhado, ficou dramático, precisávamos de mais 2 gols...

Eu bebia mais, e conversava com a Natali, torcedora do Sport, que estava acompanhando minha aflição. Veio o gol de Ricardo Oliveira, e o grito saiu aos poucos, por causa da dúvida que havia no lance, todos pensaram que havia sido impedimento, mas nada, gol legal!

Daí pra frente, o São Paulo mostrou uma garra que há tempos eu não via, mas faltou mais organização, mais técnica, e jogadas mais trabalhadas, afinal vários foram os chutes de longe que pouco assustaram o goleiro Victor, do Inter.

Fim de jogo, quase chorei, estávamos mais uma vez eliminados da Libertadores, e tantas vezes já fomos eliminados nas semi-finais... Em 2006, perdemos a final para o mesmo Inter, e este ano seria o da revanche, mas nossa força não foi suficiente...

O que nos resta agora é juntar os cacos, e tentar prosseguir no Campeonato Brasileiro, agora, finalmente, sem Ricardo Gomes.