Bobice Diária: Junho 2011

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Causos - Pedro II (parte 1)

Saímos meio atrasados, lá pelas 5 da tarde, porque estávamos procurando bebidas por Teresina, mas era feriado e tudo estava fechado. Estávamos no carro eu (@jfs_01), Márcio (@mdrocknroll), Gustavo (@ycaro_gusta) e Ed (ED_Sobral), ouvindo Velhas Virgens, Bêbados Habilidosos e afins, e indo rumo a Pedro II para curtir o Festival de Inverno da cidade, para o qual nenhum dos 4 havia ido antes.

Estávamos já na estrada, levando as poucas bebidas que tínhamos guardadas em casa, o meu violão, as bolachas, os nissins, e uma grande vontade de pirar muito por lá. E começamos os trabalhos logo: em Campo Maior tratamos de comprar mais bebidas e já estávamos bebendo dentro do carro, menos o Márcio, que já estava tendo convulsões ao nos ver bebendo.

Já tínhamos passado de Campo Maior, e estávamos perto de Cocal de Telha. Mas o carro, que já dava sinais de desgaste da bateria (tivemos que empurrá-lo em Campo Maior), começou a ficar com as luzes fracas, o som desligou, o farol apagou, e o carro morreu, isso bem no meio da estrada, e já era noite.

O que fazer? Empurrar de novo, claro! Tentamos, tentamos, morremos, mas o problema é que nenhuma luz do carro acendia, ou seja, não pegaria nem no tranco. E ficamos ali, perdidos, com medo de que algum carro nos atingisse, afinal NENHUMA LUZ ACENDIA, mas pelo menos a estrada tinha um bom acostamento.

Eu, que já tinha tomado algumas, estava custando a acreditar naquela situação, parecia surreal. Mas parados nós não podíamos ficar, e começamos a empurrar o carro. Detalhe: era uma leve subida, o que reforçava o sentimento de "PUTA QUE PARIU, DOIDO!". E nós empurramos, empurramos muito, ficamos mais de meia-hora naquela situação, e eu, na minha condição de atleta (sumô) já estava morto. O Márcio, que já estava doido pra beber, pedia pra que a gente parasse e começasse a beber ali mesmo. A ideia até que não era tão ruim, mas nós precisávamos chegar em Pedro II.

O que nos motivou a ainda continuar empurrando foi um homem que passou de bicicleta e disse que a próxima cidade estava bem próxima. O Gustavo dizia que empurraria até o fim da subida, crente que depois seria uma descida. E continuamos empurrando, eu parando quase o tempo todo.

Até que um caminhão que passou por nós parou ao longe, e começamos a empurrar mais. Aliás, eu não empurrava, já estava no banco do motorista, morto de cansado. Nos aproximávamos cada vez mais do caminhão, e já pensávamos que estávamos andando muito, mas era o caminhão que tava vindo de ré. Os dois caras do caminhão pararam e foram até nós, ofereceram ajuda e tal, e tentaram mais uma vez colocar o carro pra pegar, mas desta vez puxado por uma corda amarrada ao caminhão. Não deu certo. Então foi o jeito ele nos puxar de vez, e fomos com ele até Cocal de Telha, que de fato não estava tão longe, mas se fôssemos empurrando demoraríamos pelo menos mais 1 hora e meia pra chegar.

Chegando em Cocal de Telha paramos numa oficina e levamos um belo "balão", a bateria foi posta pra carregar e o cara disse que o defeito era no alternador, e lá fomos nós gastar 80 reais em um usado que ele tinha e depois de esperar mais tempo (já eram umas 9 da noite) para finalmente podermos sair de novo. Tudo ajeitado, carro funcionando de novo, vamos a Pedro II!

No caminho ficamos até com medo de ligar o som novamente, mas ligamos e bebemos! A viagem seguiu em diante sem preocupações. E finalmente chegamos na cidade, cansados, suados, mas chegamos. Já era tarde e os shows na praça já haviam inclusive começado, mas nós precisávamos da chave da casa onde ficaríamos para ir lá, tomar banho e voltar para a praça. E já na cidade, a procurar pelos caras que ficariam na casa com a gente, o carro morre de novo, mas, desta vez ainda pegava no empurrão. E conseguimos chegar na casa, fizemos o que tínhamos que fazer: banhar, comer e pegar as bebidas no carro. Voltamos para a praça, mas desta vez sem o carro, porque tudo tem limite.

Esta é só a parte 1

Parte 2: http://bobicediaria.blogspot.com/2011/07/causos-pedro-ii-parte-2.html
Parte 3: http://bobicediaria.blogspot.com/2011/07/causos-pedro-ii-parte-3.html

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Haikai 1



Enfrentar as adversidades da vida
Comer Ruffles
Com a língua ferida

Jônatas Freitas

terça-feira, 14 de junho de 2011

Das maracutaias do futebol brasileiro...



No jornalismo nós aprendemos que devemos desconfiar de tudo, e a perceber tudo o que há por trás de uma matéria, uma foto, uma reportagem, uma entrevista. A reportagem deste vídeo é feita pela Record, concorrente da Rede Globo, e esta, por sua vez, aliada a Ricardo Teixeira e Andrés Sanchez.

Por conta disto, a Record teria motivação extra para investigar a fundo o caso do estádio do Corinthians e fazer uma reportagem como esta, de 15 minutos, e deve ter outras motivações, porque nem o diabo sabe quantas maracutaias estão por trás do futebol brasileiro e das empresas de comunicação.

Mas o fato é que, mesmo com tudo isso, o que é mostrado na reportagem é bem sério e deve ser mais investigado, porque o caso não é de hoje, e todo mundo desconfia das mutretas em volta do presidente do Corinthians. Inclusive este que vos fala já escreveu sobre ele: http://migre.me/53BGF.